Notícias

8 de dezembro de 2015

Árabes buscam valores cristãos através de mídias sociais no Iraque

Um dos projetos de mídia social da Portas Abertas está disponibilizando conteúdos que falam a respeito de valores familiares, instruindo as famílias árabes sobre como os pais podem educar seus filhos debaixo da vontade de Deus, com instruções bíblicas.

De acordo com um analista de perseguição da Portas Abertas, uma das visitantes da página na internet no Iraque deixou o seguinte comentário: “Gosto de visitar essa página porque tudo o que postam faz diferença em minha vida, além de ajudar muito em meu crescimento espiritual”.

“A visitante passou a compartilhar mensagens e histórias, interagindo com a equipe e passou também a estimular discussões sobre diversos temas com seus amigos. E em meio às dificuldades que o povo iraquiano vem enfrentando, ela está fazendo uma grande diferença, levando ânimo e esperança através da palavra de Deus”, diz o analista.

Segundo ele, outros visitantes demonstram sua solidão e desespero, através de comentários, e deixam mensagens comoventes, mostrando que buscar a Jesus nas dificuldades traz um resultado realmente notável e pode mudar completamente suas vidas.

“A página estimula as pessoas à leitura bíblica, oferece um amor ‘virtual’ mas eficaz, que dá segurança às pessoas mesmo diante da realidade cruel em que se encontram. Jesus está sempre online e a conexão com ele nunca falha”, finaliza um dos organizadores do projeto.

O Portas Abertas pede orações pela equipe de desenvolvimento, para que não lhes falte novas iniciativas para alcançar os iraquianos e demais vidas no Oriente Médio.

Fonte: Portas Abertas

30 de novembro de 2015

UE oferece 3 bilhões de euros para Turquia conter fluxo de migrantes

A Comissão Europeia vai apresentar, até 15 de dezembro, um programa de apoio a refugiados que se encontram na Turquia, anunciou neste domingo (29) em Bruxelas, o líder do executivo comunitário, Jean-Claude Juncker. O objetivo é ajudar o governo turco para evitar que mais pessoas continuem a migrar para a Europa.

“A Comissão Europeia vai apresentar até 15 de dezembro um plano detalhado para a reinstalação dos refugiados que estão atualmente na Turquia”, disse Juncker, em coletiva de imprensa no final da reunião de cúpula extraordinária entre a União Europeia (UE) e a Turquia. “A reinstalação tem de ocorrer nos próximos meses, e estou muito otimista.”

Nesse sentido, foi também oficializada uma verba de 3 bilhões de euros para ajudar a Turquia a lidar com a crise de migrantes e refugiados.

Os líderes decidiram ainda, anunciou, o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, realizar duas reuniões anuais de cúpula entre os dois blocos.

No encontro, decidiu-se que devem ser mantidas discussões regulares, havendo ainda a intenção de reforçar a cooperação sobre política externa e de segurança, incluindo o combate ao terrorismo.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, lembrou que a questão da migração foi a principal razão do encontro de hoje, mas destacou que a UE não espera que as suas fronteiras sejam guardadas por outros: “Isso só pode ser feito por europeus”. Ele, no entanto, ponderou que a UE e a Turquia têm que agir juntas.

Fonte: Agência Brasil

24 de novembro de 2015

Aldeia cristã luta na linha de frente contra o Estado Islâmico

Os soldados sírios e os combatentes pró-regime sorriem vendo como as crianças brincam em frente a um canhão que, pela manhã, dispara salvas na localidade de Sadad, no combate contra aos extremistas do Estado Islâmico (EI).

As crianças se revezam para subir no pneu de um caminhão, indiferentes à dezena de cartuchos de obuses abandonados aos seus pés e ao clima de tensão reinante neste povoado, que, segundo seus habitantes, é mencionado com o nome de Tsedad no Livro dos Reis do Antigo Testamento.

“Cerca de 60% de seus 12.000 habitantes, em particular as mulheres e as crianças, foram a outros povoados cristãos da região, como Fayruza e Yazdal”, explicou o prefeito Suleiman Khalil. “Outras famílias preferiram ir para Damasco. Os homens ficaram para defender o povoado”, prosseguiu.

A localidade, a 18 km de Homs, no centro da Síria, foi um campo de batalha em outubro de 2013, ao mudar de mão várias vezes entre rebeldes e forças do regime, que se impuseram. Centenas de civis morreram durante esses combates.

“Temos medo das matanças, mas também temo por nossas igrejas porque o EI já explodiu monumentos religiosos onde entraram, como em Raqqa”, lembra um morador.

O povoado, formado por uma maioria por siríacos ortodoxos, se encontra a dez quilômetros das posições do EI. Conta com uma dúzia de igrejas, algumas delas bem antigas, que sofreram poucos danos.

Além das múltiplas atrocidades contra a população, o EI destruiu uma quantidade de tesouros culturais pré-islâmicos e lugares de culto cristãos e muçulmanos considerados idólatras ou heréticos pelos jihadistas.

“Estamos ameaçados pelo Daesh (acrônimo do EI em árabe) devido à nossa religião”, admite Hassan, vendedor de verduras de 22 anos convertido em combatente.

“Ameaçam todo mundo. Ficamos para defender o povoado e para impedir que se repitam as tragédias e as matanças ocorridas em outros povoados cristãos”, acrescenta.

No dia 1º de novembro, os extremistas do EI se apoderaram do povoado vizinho de Mahin, de onde dispararam dezenas de tiros contra Sadad, matando civis e combatentes.

As ruas estão praticamente vazias. Não se vê nada além de veículos das “forças de Sotoro (proteção na língua siríaca)” patrulhadas pelo povo.

Cerca de 250 combatentes Sotoro originários de Hasaké (nordeste da Síria) defendem bairros e localidades cristãs. Eles ocupam Sadad, junto com os moradores do povoado e as “Águias da tempestade”, braço armado do Partido Social Nacionalista Sírio (PSNS, pró-regime).

Seis “águias” morreram há três semanas quando um suicida do EI explodiu um carro a 3 km de Sadad.

“Viemos aqui para estar ao lado do exército regular (do regime) e ajudá-lo em sua luta contra o Daesh. Estamos aqui para defender todos os sírios e nossos irmãos cristãos em particular”, afirma Badia Hasan, de 26 anos, um combatente dos Sotoro.

Segundo ele, os extremistas “cometerão matanças” se entrarem na cidade.

As forças do regime estão a postos nos arredores do povoado e, segundo fontes locais, também haveria posições russas.

Os militares russos estão presentes sobretudo em um aeroporto situado entre Mahin e Sadad. Uma fonte militar disse que se trata de “conselheiros” que ajudam as forças leais a Assad em sua ofensiva para reconquistar Mahin.

“Assessores russos foram vistos no povoado (de Sadad) e algumas pessoas inclusive os fotografaram”, diz um morador.

Fonte: G1

16 de novembro de 2015

França lança bombardeio maciço a reduto do Estado Islâmico na Síria

Caças franceses lançaram 20 bombas neste domingo (15) sobre o reduto do grupo radical Estado Islâmico em Raqa, leste da Síria, destruindo um posto de comando e um campo de treinamento, anunciou o ministério da Defesa.

“O primeiro alvo destruído era utilizado pelo Daech (acrônimo em árabe do EI) como posto de comando, centro de recrutamento jihadista e depósito de armas e munição. O segundo alvo abrigava um campo de treinamento terrorista”, acrescentou o ministério em um comunicado.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, os ataques teriam atingido dois campos de treinamento e um suposto depósito de armas do Estado Islâmico na região de Raqqa. Mais de 30 explosões foram ouvidas na cidade.

Doze aeronaves, entre elas dez caças, engajaram-se simultaneamente a partir dos Emirados Árabes Unidos e da Jordânia e lançaram 20 bombas.

“Planejada para os locais preliminarmente identificados durante missões de reconhecimento realizadas pela França, esta operação foi conduzida em coordenação com as forças americanas”, destacou o ministério.

O EI reivindicou a autoria da série de atentados de sexta-feira à noite em Paris, que deixaram ao menos 129 mortos e 350 feridos.

“É um ato de guerra cometido por um exército terrorista, o Daech, um exército jihadista”, declarou o presidente francês, François Hollande, advertindo que seu país seria implacável” em todos os terrenos, tanto “interior quanto exterior”.

O bombardeio deste domingo foi muito mais intenso do que as quatro operações lançadas anteriormente pela França, que mobilizaram menos caças e tinham tinham alvos mais ao sul da Síria, em Deir Ezzor.

Ajuda americana

A França, que participa há um ano da coalizão internacional contra o EI no Iraque, decidiu em setembro estender suas operações à Síria.

A diferença é que o exército francês afirma manter autonomia na escolha dos alvos, enquanto está plenamente associado à coalizão internacional no Iraque, sob o comando de Washington.

Os primeiros bombardeios franceses na Síria, em setembro, tinha como alvo dois centros de treinamento de jihadistas que supostamente se preparavam para realizar ataques em território europeu.

“Estamos trabalhando para a intensificação dos bombardeios”, informaram fontes próximas ao ministro da Defesa, Jean-Yves Le Drian, que teve neste domingo uma conversa telefônica com o colega americano Ashton Carter, visando a aumentar o compartilhamento de informações de inteligência.

“No campo estamos avançando bem, graças às patrulhas de reconhecimento (francesas), e graças à abertura cada vez maior dos nossos amigos americanos”, acrescentaram essas fontes, que consideram os atentados em Paris como um “marco” da intensificação das operações francesas na Síria.

Fonte: G1

9 de novembro de 2015

Histórico: após décadas China acaba com política do filho único

Segundo matéria divulgada pelo site ‘O Globo’, o Partido Comunista chinês decidiu abolir com a política do filho único e autorizará pela primeira primeira vez em mais de 30 anos que os casais tenham dois filhos, segundo um comunicado do Partido Comunista divulgado pela agência oficial Xinhua.

A decisão histórica foi tomada dois anos depois que o governo autorizou que os casais, em que um dos cônjuges fosse filho único, tivesse um segundo filho. O objetivo é corrigir o desequilíbrio entre homens e mulheres e conter o envelhecimento da população, além de estimular a economia.

Barbáries e desequilíbrio

Ao longo dos últimos anos não faltaram casos dramático relacionado a política do filho único. Ainda segundo matéria do ‘O Globo’, em 2012, uma mulher de 23 anos da província de Shaanxi, no Noroeste do país, foi levada pelas autoridades do planejamento familiar e obrigada a realizar um aborto mesmo estando grávida de sete meses.

O resultado dessa política, segundo o governo chinês, foi o impedimento de cerca de 400 milhões de nascimentos. Porém, o custo humano foi incalculável, com esterilizações e abortos forçados, infanticídio e um desequilíbrio de gênero dramático que implica a milhões de homens nunca encontrarem parceiras.

Fonte: O Globo

27 de outubro de 2015

Cristãos se reúnem para orar por Israel, em Jerusalém

Todos os anos, evangélicos de várias partes do mundo vão a Jerusalém para celebrar a Festa dos Tabernáculos (Sucot). A promoção é da Embaixada Cristã Internacional de Jerusalém, um dos mais atuantes grupos do movimento de sionistas cristãos.

No dia 3 de outubro, foi o dia Internacional de Oração por Jerusalém. Uma iniciativa antiga, que usa como base o mandamento bíblico do Salmo 122. Este ano, em especial, a cidade viveu um clima de guerra, com conflitos nas ruas entre palestinos e judeus.

Segundo o site da revista Charisma, cristãos de 175 países intercederam durante as 24 horas da campanha. Todos os interessados puderam acompanhar pela internet, através do aplicativo InstaPray.

Embora seus organizadores afirmem que essas iniciativas visam “unir” cristãos e judeus, não é algo bem visto por alguns segmentos. Os judeus mais ortodoxos a consideram “atividade missionária” disfarçada.

O rabino-chefe dos ashkenazi, David Lau, e o rabino-chefe do ramo sefardita, Yitzhak Yosef, deixaram claro que os judeus ortodoxos de Israel não devem aceitar o convite para participar.

Em nota, disseram: “Aos nossos irmãos da Casa de Israel, vamos dizer: Não se junte a esta assembleia, cujo objetivo é evitar a verdadeira redenção de Israel. De acordo com a nossa Torá sagrada, devemos nos manter longe deste evento. É proibido se juntar a eles de qualquer forma”.

O site Al-Monitor ligado a organizações judaicas ultra-ortodoxas, publicou um artigo afirmando que é necessário “combater-se a agenda cristã”, citando até uma ação judicial, se necessário.

O rabino Shmuel Lifschitz, disse ao site: “Durante anos tivemos um entendimento tácito com a Embaixada Internacional Cristã em Israel, para que eles evitassem a atividade missionária. Mas depois de alguns anos, eles não cumpriram sua parte do acordo”.

A reclamação é que os jovens judeus estão sendo convidados para se converter ao cristianismo. Por sua vez, a Embaixada Cristã disse apenas que não faz “proselitismo”.

Em Israel existe uma lei que proíbe a atividade missionária envolvendo “benefício material” e a pregação para menores de idade.

O site do movimento Yad L’Achim traz a manchetes: “Missionários atacam novamente: Campanha tem como alvo o sul de Israel”.

Eles criticam uma campanha do movimento Judeus por Jesus, que distribuiu material evangelístico nas ruas. Tempos atrás, o Yad L’Achim fez um grande protesto, apoiando os carteiros judeus que se negaram a entregar material missionário despachado pelo correio.

Fonte: Gospel Prime /Christian Today / Christian Headlines.

19 de outubro de 2015

Instituição cristã brasileira recebe refugiados sírios

A Missão de Apoio à Igreja Sofredora (MAIS), sediada em Vila Velha (ES), recebeu alguns imigrantes sírios que fogem da perseguição religiosa que é o foco do atendimento da instituição.

Cerca de 150 pessoas, entre crianças e adultos, já foram atendidos pela MAIS desde novembro de 2013. A instituição afirma que muitos refugiados chegam ao Brasil traumatizados e trazem consigo sentimento de medo e ao mesmo tempo de alívio.

O coordenador da base de Vila Velha, Igor Adrian, relata que as crianças ficam tão traumatizadas com a guerra que relatam isso até durante as brincadeiras. “As brincadeiras das crianças são sempre em torno da guerra, que é o que elas viram lá”.

O MAIS recebe esses refugiados e dentro de três meses consegue legalizá-los no país através de documentos como a carteira de trabalho e o CPF, assim os adultos podem trabalhar e iniciar uma nova vida no Brasil.

Fora o serviço de documentação, a instituição também oferece atendimento psicológico e espiritual para que os grupos consigam se recuperar completamente dos traumas vividos.

O Governo brasileiro tem autorizado a chegada de refugiados, mas não oferece apoio financeiro para entidades como a MAIS que precisa de apoio para continuar levando um trabalho sério e que faz tanta diferença na vida dos imigrantes.

“Temos tentado conseguir apoios do Governo, mas quando sabem que ajudamos pessoas que fogem da perseguição religiosa, somos discriminados e nunca tivemos acesso a nenhum tipo de fundo”, denuncia Igor Adrian.

Para conseguir verbas, a MAIS pede apoio para igrejas e pessoas físicas interessadas em colaborar com esta obra. Apesar da dificuldade, Adrian revela que há projetos para abrir cinco novos centros da MAIS pelo país ainda este ano.

Fonte: Gospel Prime e Missão em apoio à Igreja sofredora

11 de outubro de 2015

Europeus devem “ter a coragem de voltar à Igreja e à Bíblia”, pede Merkel

A chanceler alemã Angela Merkel é filha de um pastor e nunca escondeu sua fé. Em uma palestra recente na Universidade de Berna, Suíça, foi questionada sobre o “perigo” que os imigrantes muçulmanos representariam para a Europa.
Como tem sido amplamente divulgado, a Alemanha é o principal destino de milhares de refugiados que tentam escapar das guerras no Oriente Médio e na África.
A reação de Merkel causou grande desconforto entre os ouvintes, pois foi um tanto inesperada. Afinal, pareceram ter saído de uma líder religiosa, não uma liderança política. Até o momento nenhuma igreja deu declarações tão incisivas sobre o assunto.

Continue lendo…

25 de setembro de 2015

Pr. Lucinho e voluntários são “acusados” de evangelizar e precisam fugir

No sexto episódio da série Especial Jordânia, o pastor Lucinho e os voluntários precisam fugir às pressas de uma escola de meninas onde entregariam presentes. Duas professoras dessa escola denunciam o grupo de brasileiros por supostamente estarem evangelizando no local. Lucinho conta que um pastor jordaniano mandou todos fugirem da região.

Também neste episódio, o pastor Lucinho conhece a história de um homem – que não preferiu não se identificar – que fugiu da Síria após se converter ao cristianismo. Esse homem trabalhava como imã (líder de mesquita) na Síria quando decidiu entregar a vida para Jesus.

O pastor Lucinho também conversa com a jovem Ema, que saiu de um país oriental onde era perseguida. Ema conta que foi para a Jordânia para ser missionária e ajudar os cristãos perseguidos, pois entende como é passar por essa situação.

Lucinho também mostra o drama que a única igreja na cidade de Marka enfrenta: ela é monitorada 24 horas por dia pela Irmandade Muçulmana. Os pastores sofrem com o preconceito e o risco de violência é presente em todo tempo.

Confira:

Fonte: Rede Super.

21 de setembro de 2015

Apesar da perseguição, dois terços da população etíope são de cristãos

A Etiópia ocupa o 22º lugar da lista dos países mais perseguidos do mundo. Um analista da organização Portas Abertas comentou que a vida é realmente muito difícil para os cristãos que vivem lá. “Dois terços da população é cristã e o governo não vê isso com bons olhos. O país foi uma das primeiras nações cristãs do mundo, a partir do quarto século, de acordo com um manual de missões global, conhecido como Operação Mundo”.

Continue lendo…